Intermediário(Intermediário)

O calendário hebraico possui alguns feriados. Em hebraico, eles são chamados, no plural, de Iamim Tovim e, no singular, de Iom Tov (lit. “dia bom”).

Alguns feriados têm caráter cultural / político e outros são de cunho mais religioso. Em geral, os de cunho cultural e político foram instituídos pelos rabinos e são ligados à história judaica. Já os de cunho mais religioso são oriundos da própria Bíblia, e são mitsvot (mandamentos bíblicos).

Como já foi discutido no artigo sobre calendário , as festas caem sempre no mesmo dia do calendário cabalístico, mas as datas variam no calendário gregoriano, pois o sistema de ambos os calendários é distinto. Isso também é importante para lembrar que todo feriado cabalístico se inicia ao pôr-do-sol, pois é nesse momento que inicia o dia hebraico.

Shabat
Sem dúvida, o primeiro feriado em nível de importância (e de frequência) é o Shabat. Acontece semanalmente, ao por do sol de sexta feira, e inaugura um dia que deve ser dedicado ao repouso e à espiritualidade.

Rosh Chodesh
O segundo feriado mais frequente é o Rosh Chodesh, ou início do mês. Marcado pelo surgimento da Lua Nova, ocorre doze vezes no ano (treze, no ano bissexto).

Rosh Hashaná
O Rosh Hashaná, um rigor, é um Rosh Chodesh (início de mês), mas não de qualquer mês, e sim do primeiro mês do ano. Portanto, na prática, o Rosh Hashaná (lit. “Cabeça do Ano”) é o início do ano, uma espécie de “ano novo” cabalístico. Ocorre em 1 de Tishrê.

Asséret Iemê Teshuvá
Os Dez Dias de Arrependimento são contados do início de Rosh Hashaná até o fim de Iom Kipur (veja a seguir). São chamados de Dias de Arrependimento pois é o que se está buscando conseguir nesse período. Vai de 1 a 10 de Tishrê.

Tsom Guedalia
O Jejum de Guedalia cai no meio dos Dez Dias de Arrependimento, mas não faz parte deles, e é, antes, um feriado de cunho político. Foi instituído pelos Sábios para ser celebrado no dia 3 de Tishrê em memória à morte do Governador de Judá, chamado Guedalia, um evento que simbolizou algo triste na história judaica: o fim de um governo judaico na Terra de Israel.

Iom Kipur
Talvez o mais famoso dos feriados judaicos, conhecido como Dia do Perdão (o termo mais correto, no entanto, seria “Dia da Expiação”). Cai no dia 10 de Tishrê (encerrando os 10 Dias de Arrependimento) e é um dia de jejum e orações, visando a conseguir expiação pelos pecados cometidos ao longo do ano. É considerado o dia mais sagrado do calendário hebraico.

Sucot
Sucot significa, literalmente, “cabanas”. É um feriado que lembra o período em que o Povo de Israel andou pelo deserto (após a saída do Egito) e vivia em cabanas, contando apenas com a Proteção Divina. Dura sete dias e vai de 15 a 21 de Tishrê. Além de ser celebrado com as cabanas, é conhecido por conter um ritual envolvendo as chamadas Quatro Espécies ( lulav , hadás , arava e etrog ).

Hoshaná Rabá
É o sétimo dia de Sucot, e marca uma espécie de transição entre o período dos principais feriados (Rosh Hashaná e Iom Kipur) e o resto do ano.

Shmini Atséret
O imediatamente a seguir ao sétimo dia de Sucot. Ou seja, o oitavo dia (Shmini Atséret significa “a parada do oitavo”). Cai no dia 22 de Tishrê.

Simchá Torá
A Alegria da Torá. É o dia posterior ao Shmini Atséret, portanto, o dia 23 de Tishrê. É um dia de celebração pois nele se lê a última porção da Torá, no livro de Deuteronômio, o que encerra o ciclo de leitura anual, e inaugura mais um ciclo de leitura (a partir de Gênesis), que durará por mais um ano.

Chanucá
Às vezes chamado de “Festa das Luzes”, embora o nome signifique, literalmente “reinauguração”. É de origem política (não aparece na Bíblia) e comemora uma reconquista do Templo de Jerusalém pelos Macabeus (o Templo estava na mão dos gregos). Dura 8 dias, e é comemorado de 25 de Kislev a 2 ou 3 de Tevet. Acende-se a chanukiá (candelabro de oito velas) e servem-se comidas fritas em óleo.

10 de Tevet
Um dia de jejum lembrando um evento político-histórico, o cerco da cidade de Jerusalém realizado pelos babilônios.

15 de Shevat
Também conhecida como Tu Bishvat, é o Ano Novo das Árvores. Hoje se tornou um dia de conscientização da causa ambiental, embora originalmente fosse necessário um dia para celebrar a conexão com o reino vegetal.

Jejum de Ester e Purim
O Jejum de Ester ocorre no dia 13 de Adar e Purim no dia seguinte, no 14. Relembra os eventos narrados no Livro de Ester, em que os chamados foram salvos dos planos de extermínio orquestrados por Haman.

Pêssach e Jejum dos Primogênitos
O jejum é feito no dia 14 de Nissan, e Pêssach se inicia no dia 15, durando por sete dias em Israel, e oito fora. Ou seja, até dia 21 ou 22 de Nissan. Festa que celebra o Êxodo do Egito e a saída da escravidão, liderada por Moisés. Alguns dos trajes da festa: comer matsá (pão ázimo) e não comer ou possuir fermento durante o período da celebração.

Sefirat Haomer
A contagem do Ômer é um período de 49 dias que se inicia em Pêssach e termina em Shavuot (ver a seguir). O Ômer era uma oferenda de grãos, sendo que a primeira oferta do ano ocorria em Pêssach. Posteriormente, com o fim das oferendas, a Contagem do Ômer passou a simbolizar o desenvolvimento espiritual do Povo de Israel, desde a saída do Egito (em Pêssach, anteriormente discutido) até a recepção da Torá no Monte Sinai (em Shavuot, a seguir) .

Lag Baomer
Dentre os 49 dias contados no Ômer, o dia 33 (Lag, em letras hebraicas) é de destaque, dentre outras coisas, por ser o aniversário de morte do Rabi Shimon Bar Iochai, autor do Zôhar .

Shavuot
O nome da festa significa, literalmente, “semanas”. Ocorre sempre 49 dias depois de Pêssach , ou, seja, sete semanas depois, daí seu nome. Sendo assim, cai sempre em 6 de Sivan e foi nesse dia que a Torá foi dada ao Povo de Israel. Um dos trajes da festa é comer alimentos lácteos e laticínios.

17 de Tamuz
Outro jejum lembrando um evento político, quando as muralhas da cidade de Jerusalém foram invadidas pela primeira vez pelo exército romano, no ano 70. 17 de Tamuz também marca o início de um período de três semanas examinados mais negativas, chamadas em hebraico de ben hametsarim (lit. “entre os estreitos”), culminando no dia 9 de Av (ver a seguir). Durante essas três semanas, muitas comunidades judaicas têm o traje de seguir regras de luto, e evitar celebrações, festas e casamentos, por exemplo.

9 de Av.
Considerado o dia mais negativo do calendário, em que vários eventos tristes e infelizes ocorreram ao povo judeu, mas, em especial, a destruição dos dois Templos de Jerusalém. A data é lembrada com um jejum de 25 horas e outros sinais de luto (como não se banhar, não sentar em lugares confortáveis ​​etc.).

15 de Av.
Por exemplo à data anterior, 15 de Av é considerado o dia mais feliz do ano. Nos tempos bíblicos, era a data na qual os casamentos eram arranjados e, por isso, hoje é comemorado como uma espécie de Dia dos Namorados, ou Dia do Amor.

{"cart_token":"","hash":"","cart_data":""}