Ética dos Pais

O texto em vermelho é a tradução da Ética dos Pais. O texto sem negrito são comentários meus.

1:2

Shimon, o Justo, foi um dos últimos sobreviventes da Grande Assembleia. Ele costumava dizer: O mundo se apoia sobre três pilares: a Torá, o serviço a Deus e os atos de bondade.

Em hebraico, a palavra “mundo” (olam) é ligada à palavra “ocultação” (heelem), pois o mundo foi criado de modo a fazer com que D’us e Sua santidade estivessem ocultas.

Apenas ao remover essa ocultação – uma tarefa de cada um individualmente – é que a luz divina pode ser revelada.

Shimon, o Justo ensina três modos de remover essa ocultação. O mundo se apoia sobre três pilares, ou seja, a ocultação existe por causa de três pilares negligenciados: a Torá, o serviço a Deus e os atos de bondade.

Como o homem é um microcosmo, as três coisas que fazem o mundo existir também dão vida e sustentação a uma pessoa. Ao se ocupar com essas três coisas, uma pessoa consegue a sua redenção pessoal e, mais do que isso, ajuda a manter o mundo inteiro.

Dentre as três coisas mencionadas, a Torá, que é um estudo, está, portanto, ligada ao intelecto e tudo o que é cerebral. O serviço a Deus, expresso classicamente através da oração é, assim, um ato de fala, e está ligado à língua, linguagem e seu uso. Por fim, os atos de bondade são feitos, arquetipicamente, com as mãos, envolvendo o corpo todo, e se referem ao nosso corpo físico em geral.

Esses três níveis de nosso ser (pensamento – fala – ação) ficam retificados e são elevados quando nos envolvemos com os três itens que lhe são relacionados.

Torá, serviço a Deus e atos de bondade são mencionados juntos, não por acaso, mas porque constituem um complexo integral e complementar. Como na ideia de pilares, os três são necessários, e um não pode existir sem o outro, com risco de a estrutura por eles sustentada – o mundo – ficar capenga.

Assim, não existe pessoa que está realmente conectada a Torá, se também não tem uma conexão com o criador e se é uma pessoa ruim (como eruditos que são péssimas pessoas). De modo similar, não existe conexão verdadeira com D’us sem o estudo espiritual e a manifestação de atos de bondade na terra. E, por fim, os atos de bondade não são naturais do ser humanos, mas um comportamento que deve ser aprendido por meio do estudo espiritual (Torá) e que se manifesta mais belamente quando se acredita na existência de um Ser Superior (D’us).

Do mesmo modo que corpo e alma se constituem em um todo (o corpo sem alma é um cadáver, e a alma sem corpo é uma simples alma), Torá, serviço a D’us e atos de bondade são um conjunto holístico que ajudam a formar o homem e o mundo.